09 • abril • 2018

Varejista brasileira disponibiliza caixa coletora para descarte de roupas em 15 lojas da rede


Acomodada próximo ao caixa de atendimento da Renner do Shopping Center Norte, uma das 15 caixas coletoras do projeto de logística reversa da varejista está disponível para o descarte de roupas em desuso, no entanto, não parece chamar muito a atenção de quem circula pela loja. Desde 2017, a rede conta com os coletores de resíduos têxteis em unidades dos estados Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. O objetivo, segundo informou é incentivar uma moda mais responsável.

Ao Moda Sem Crise, a companhia informou por meio de sua assessoria de imprensa que a Lojas Renner possui o Programa de Gestão de Resíduos Sólidos baseado nos princípios da não geração, da minimização da geração e do descarte correto dos resíduos. “Nesse contexto, são promovidas diferentes ações relativas ao seu manejo, contemplando os aspectos referentes à classificação, separação, acondicionamento, coleta e transporte, reciclagem e destinação final dos resíduos, utilizando a logística reversa como instrumento viabilizador.”

varejista-brasileira-disponibiliza-caixa-coletora-de-residuos-texteis-em-15-de-suas-326-lojas

A caixa coletora de resíduos têxteis da Lojas Renner do Shopping Center Norte, em São Paulo, estava vazia na tarde de sábado, 7 de abril – Fotos: Marcela Fonseca

De acordo com a rede varejista, a principal iniciativa do programa é o EcoEstilo – projeto que desde 2011 disponibiliza coletores na área de perfumaria das suas lojas. Clientes e colaboradores podem utilizar o serviço para descartar embalagens de produtos de perfumaria e beleza, adquiridos ou não nas lojas da rede.

“Hoje os coletores [de perfumaria e beleza] estão presentes em todas as unidades da Renner espalhadas pelo Brasil. Os resíduos coletados são encaminhados para destinação final ambientalmente correta: o material reciclável vai para reciclagem e o restante, para um aterro industrial. Em 2017 foram coletadas 29,5 toneladas de resíduos, volume seis vezes maior do que o obtido no primeiro ano de projeto”, informa.

Já no departamento têxtil, o projeto de logística pós-consumo é recente. A varejista que em 2017 deu um importante passo ao abrir sua primeira loja fora do país, no Uruguai, colocou também à disposição caixas coletoras em 15 de suas lojas.

Atualmente, a Lojas Renner conta com 326 unidades em operação – sendo 323 no Brasil e 3 no Uruguai. A intenção, segundo informou, “é ampliar gradativamente o número de lojas com coletores.” No entanto, a companhia que tem o plano de chegar a 2021 com um total de 450 lojas da Renner não menciona previsão sobre a expansão do programa de resíduos.

Esse não é o único programa de descarte de resíduo têxtil em uma varejista em operação do Brasil. A C&A também conta atualmente com caixas para a coleta de peças – inclusive em último estágio – em 32 de suas lojas. O projeto da varejista internacional fundada nos Países Baixos como empresa têxtil em 1841 pelos irmãos Clemens e August (C&A) tem parceria com o Centro Social Carisma – que recebe as peças em bom estado e destinadas à doação – e com a Retalhar – negócio social que trabalha com logística reversa e utiliza peças velhas e sem condições de uso em fibras para a produção de cobertores normalmente entregues à população em situação de rua. O Movimento ReCiclo é destaque da matéria especial “O que você faz com a roupa velha que não quer mais?” publicada no Moda Sem Crise.

LEIA TAMBÉM

O QUE VOCÊ FAZ COM A ROUPA VELHA QUE NÃO QUER MAIS?

C&A AMPLIA PARA 39 O NÚMERO DE CAIXAS COLETORAS PARA O DESCARTE DE ROUPAS

Saiba onde e como descartar

“Deixe aqui suas peças”. Essa é a frase em destaque na parte superior da caixa coletora de resíduos têxteis que integra o Programa de Gestão de Resíduos Sólidos da Lojas Renner. O box disponibiliza informações a respeito do programa de descarte. Sobre quais roupas deixar, informa: Roupas usadas, limpas e em bom estado de conservação. Sobre o que não deixar: Roupas íntimas, como calcinhas, sutiãs, meias e cuecas; Tecidos, roupas rasgadas, panos, retalhos; Roupas sujas ou manchadas; Acessórios; Sapatos e chinelos; Roupas de cama; Roupas em tricô, crochê ou pele de origem animal.

O Regulamento está também disponível e aponta as 15 unidades da rede onde é possível entregar as roupas em desuso. Em São Paulo, além do Shopping Center Norte, na zona norte, é possível encontrar o equipamento na unidade do Shopping Eldorado, na zona oeste, e no Shopping Morumbi, na zona sul. (Consulte todos as lojas participantes no final deste conteúdo).

O texto explica ainda que as roupas coletadas são enviadas ao Centro de Distribuição da companhia. Onde são separadas por uma empresa terceirizada. “O objetivo é reinserir roupas na cadeia têxtil, mitigando a produção de resíduos e a extração de matéria-prima. De quebra, a iniciativa pode incentivar a geração de renda de organizações sociais apoiadas pelo Instituto Lojas Renner. As roupas entregues de forma espontânea nos coletores são encaminhadas para os centros de distribuição da Renner para que seja realizada uma triagem das peças, que podem ter três destinos possíveis”, conforme informa:

Transformação: Por meio do processo de upcycling, as roupas podem ser transformadas em outros produtos por grupos de mulheres capacitados com o apoio do Instituto Lojas Renner, podendo ser uma fonte de renda para estes coletivos.

Doação: As roupas em bom estado podem ser doadas para organizações sociais comercializarem em seus brechós.

Matéria-prima: As roupas podem ser desfibradas com o objetivo de gerar uma nova matéria-prima, fazendo com que as fibras sejam utilizadas na produção de novos tecidos.”

Questionada duas vezes pela reportagem, a Lojas Renner não informou quais são as organizações sociais envolvidas nos processos de doação ou descarte das peças. Já no Regulamento presente na caixa coletora está escrito: “A prestação de contas será realizada através do Relatório Anual da Companhia Renner S.A.” A empresa também não respondeu sobre o quanto foi arrecadado desde o início da operação das caixas coletoras de roupas em desuso.

Confira a lista das 15 lojas da Renner contempladas com os coletores nesta primeira fase do projeto de logística reversa de roupas:

– Shopping Iguatemi – Porto Alegre – Rio Grande do Sul

– Barra Shopping Sul – Porto Alegre – Rio Grande do Sul

– Bourbon Shopping Wallig – Porto Alegre – Rio Grande do Sul

– Shopping Iguatemi – Florianópolis – Santa Catarina

– Floripa Shopping – Florianópolis – Santa Catarina

– Shopping Itaguaçu – São José – Santa Catarina

– Shopping Eldorado – São Paulo – São Paulo

– Morumbi Shopping – São Paulo – São Paulo

– Shopping Center Norte – São Paulo – São Paulo

– Shopping Rio Sul – Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

– Barra Shopping – Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

– Shopping Leblon – Rio de Janeiro – Rio de Janeiro

– Shopping da Bahia – Salvador – Bahia

– Salvador Shopping – Salvador – Bahia

– Shopping Barra – Salvador – Bahia




Comente pelo Facebook

Ou comente por aqui:

• Instagram •

Follow @modasemcrise

Moda Sem Crise • todos os direitos reservados © 2018 • Logotipo por Marina Takeda • Desenvolvido por Iunique • Studio Criativo

Newsletter

Receba no seu e-mail as atualizações do Moda Sem Crise! É só assinar aqui: